Psoríase Brasil instala seu Conselho Técnico e Científico

Foi oficializada, no último dia 8 de setembro, a formação do Conselho Técnico Científico da Psoríase Brasil, agora também integrado por quatro especialistas da Sociedade Brasileira de Dermatologia. A formalização do Conselho ocorreu por ocasião do 71º. Congresso da SBD, em Porto Alegre (RS). Os médicos que integram o órgão – Dr. André Esteves de Carvalho, Dra. Cláudia Pires Amaral Maia, Dr. Paulo Antônio Oldoni Felix e Dr. Marcelo Arnone – participaram de cerimônia com a presidente da ONG, Gladis Lima.

Entidade civil sem fins lucrativos, a Psoríase Brasil combate o preconceito, fornece informações sobre a doença e luta pela implantação de programas de saúde pública, como a garantia de diagnósticos e tratamentos adequados a serem oferecidos pelas redes pública e privada.

Segundo Gladis Lima, todas as informações que a entidade traz a público passam pelo crivo do Conselho Técnico Científico, que apoia a entidade no levantamento de dados, pesquisas e enquetes sobre a doença em todo o Brasil. “O objetivo é trazer informação de qualidade para o paciente. São dados preciosos, que servem também para pesquisas acadêmicas e para médicos. É muito importante termos conosco dermatologistas que nos auxiliem”, resume. O próximo passo é fazer com que o Conselho passe a ser integrado também por médicos reumatologistas, de modo a fazer com que se ampliem as informações sobre artrite psoriásica.

Para a Dra. Cláudia Pires Amaral Maia, da SBD, a participação dos dermatologistas possibilitará melhorar as abordagens nos esclarecimentos sobre a doença e a atuação na luta para o acesso às medicações. “São duas forças diferentes que se unem e, com troca de informações entre os dois segmentos, pacientes e médicos, tudo fica mais fácil e tende a funcionar melhor”, diz.

A ONG luta pela implementação da Resolução da Organização Mundial de Saúde (OMS), de 2014, que reconhece a psoríase como uma doença crônica grave, incapacitante, não transmissível, dolorosa, desfigurante e para qual ainda não existe cura, indicando a necessidade da oferta de tratamentos públicos adequados.

Recentemente, a Psoríase Brasil foi convidada pela IFPA – Internacional Federation of Psoriasis Associations – (Federação Internacional das Associações de Psoríase) para apresentar, em Genebra, o trabalho que tem realizado no país em prol da implementação da Resolução da OMS. A entidade foi a única associação mundial de psoríase convidada a apresentar case em evento paralelo à 69ª. Assembleia Mundial da Saúde, organizada pela IFPA. “Somos exemplo mundial de entidade dedicada à doença que está atuando politicamente com a Resolução depois do reconhecimento pela OMS”, comenta Gladis Lima.